Conecte-se

Inscreva-se

Al Iaquinta não despreza Cerrone: 'Ele ainda é o Cowboy' 1

Internacional

Al Iaquinta não despreza Cerrone: ‘Ele ainda é o Cowboy’

Lutadores se enfrentam no Main Event do UFC Ottawa.

Muitas águas rolaram nas carreiras de Donald Cerrone e Al Iaquinta. Entre altos e baixos, elogios e críticas, os atuais 8° e 4° lugar no ranking dos leves se enfrentam no próximo sábado.

Desde 2011 reapresentando o UFC, “Cowboy” perdeu todas as lutas que disputou em 2017 (Jorge Masvidal, Robbie Lawler e Darren Till). Em suas quatro lutas seguintes, foi derrotado uma vez e venceu 3 vezes, incluindo a última luta. O nocaute técnico sobre Alexander Hernandez, em janeiro deste ano, foi acompanhado de perto por Iaquinta.

Ele ainda é o ‘Cowboy’, cara. Ele entrou lá e a torcida o amou e ele foi muito ovacionado. Os fãs o amaram no Brooklin, em sua última luta. Eu estava sentado lá. Acho que ele é tão experiente e estava lá com todo mundo, ele realmente reúne tudo. Todo seu trabalho ao longo de toda sua carreira fala por si”, surpreendeu-se Iaquinta, em entrevista ao MMA Fighting.

O norte-americano de 31 anos e atual número 4 do ranking dos leves entrará no octógono do UFC Fight Night 151 confiante em seu cartel. Al Iaquinta vinha de 5 vitórias consecutivas, quando encarou o campeão Khabib Nurmagomedov, em abril de 2018. A derrota por decisão unânime, então, quebrou sua sequência de vitórias. Contudo, em dezembro de 2018, “Raging” provou que ainda quer ascender e superou Kevin Lee.

Acho que minha experiência está em alta. Eu estive lá com os melhores e mostrei o que posso fazer. Mesmo com minhas derrotas. Muitas pessoas perderam para caras que eu também perdi, e eles ficaram como se isso os murchassem, e isso os leva à uma trajetória de queda ao longo da carreira. Mas a maneira como perdi e a maneira como lidei com isso, me motivou e isso me beneficiou. Então, acho que minha experiência está no auge, minha motivação, minha fome, estou no auge da minha carreira e tudo está se encaixando”, disse Al Iaquinta.

Vice-campeão do The Ultimate Fighter 15, Iaquinta entrou no UFC como grande promessa do MMA. Porém, entre os reveses do esporte, o atleta enfrentou um impasse com promotores e sua carreira esteve por um fio. Hoje, recuperado, “Raging” está no top 5 da divisão, uma reviravolta impressionante para alguém que viveu os momentos mais sombrios dentro do esporte.

Eu me voltei muito para mim e acho que os fãs entenderam de onde eu vinha, e até mesmo o UFC entendia de onde eu vinha. Na época, era uma situação difícil. Mas acho que tudo aconteceu do jeito que deveria. Sempre desejei estar aqui. Sempre disse a mim mesmo ‘vou agradecer muito (quando acontecer)’. Passar por toda aquela porcaria, penso, me fez ser muito mais grato. E, não sei, é uma mentalidade estranha que tenho. Não é estranho, mas acho que só entendi muito mais. Talvez, se eu estivesse neste lugar há quatro anos, não estaria pronto”, conclui Iaquinta.

Racional quanto ao erros e a transformação na carreira, Al Iaquinta persegue o futuro no MMA com maturidade: “Estar aqui agora, amadurecer – acho que estou ganhando um bom dinheiro, dinheiro descente – estou maduro o suficiente agora para fazer coisas realmente grandes e amadurecer o suficiente para lidar com isso. Sei do que sou capaz. E sempre soube diferenciar as coisas certas das erradas, mas eu estava meio fora de mim. Ainda estou fora de mim, mas descobri maneiras de canalizar e me controlar. Não sou um grande religioso ou algo do tipo, mas talvez seja uma maneira de Deus me falar ‘você está pronto, cara. Se você fosse atração principal há 4 anos, provavelmente teria feito papel de bobo’. Acho que é muito para lidar, então acho que estou pronto agora”.

Atualmente, Khabib Nurmagomedov reina absoluto nos leves, apesar da suspensão. Dustin Poirier sustenta o cinturão interino enquanto Tony Ferguson planeja recuperar o título interino. E, na corrida pelo cinturão, Conor McGregor continua sendo um forte candidato à disputa.

Tendo em vista o cenário dos pesos leves, Al Iaquinta fica com a incerteza de uma chance ao título, caso vença Cerrone: “Eu não sei. Só sei que uma vitória sobre Donald Cerrone me coloca lá em cima. Está é uma grande luta, é um grande adversário. Ele é muito conhecido, muito técnico, muito habilidoso, muito experiente. Então, uma grande vitória sobre ele, me coloca lá. Estava preocupado com a luta de Kevin Lee, preocupado com s luta que iria conseguir. Eu queria a melhor luta e essa é uma ótima luta. Essa é uma luta que me motivou”.

A luta entre Al Iaquinta e Daniel Cerrone é o evento principal do UFC Fight Night 151. O confronto entre o atleta de Nova Iorque e o atleta do Colorado será no octógono de Ottawa, Canadá, no dia 4 de maio.

Fique por dentro!

Sabia de todas as novidades e promoções

Escrito Por

"Nada é mais verdadeiro do que números. Números dizem tudo. Números não tem opinião pessoal, apenas a verdade nua e crua."

Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Conectar
Fique por dentro!

Sabia de todas as novidades e promoções

error: We love you